No atendimento a crianças e adolescentes a abordagem psicanalítica é minha linha conceitual de trabalho, porém a técnica de atuação varia de acordo com a idade do paciente. Com crianças até 10 anos, o método lúdico, em que se utilizam brinquedos, jogos, simulações, livros de histórias e ferramentas de arteterapia, é essencial para que o paciente possa se expressar simbolicamente, revelando conteúdos inconscientes.  Essa metodologia, desenvolvida por Melanie Klein, facilita a relação terapêutica e, através do brincar, a criança pode entender mais facilmente as situações da vida, da família e do mundo a sua volta.

Com as crianças mais crescidas e os adolescentes, também se aplicam algumas técnicas projetivas, porém a análise transcorre de forma mais dialogada e o paciente encontra na troca com o terapeuta um  acolhimento que lhe permite se sentir seguro para explorar as razões que justificam a consulta a um psicólogo.

Em geral, os jovens pacientes chegam ao consultório em virtude de encaminhamentos escolar ou médico ou por conta da percepção de um dos pais ou cuidador próximo de que algo não vai bem com a criança ou adolescente. Entre os sintomas e indicações que costumam ser tratados com bons resultados na psicanálise infantil estão os quadros de enurese noturna, fobias, déficit de atenção, hiperatividade, baixa de rendimento escolar, vício de internet, timidez, insegurança, agressividade, terror noturno, depressão, doenças orgânicas  de origem emocional, distúrbios alimentares, traumas sexuais, separações, lutos, entre diversos problemas comportamentais e psicológicos que afetam as crianças e jovens.

PSICOTERAPIA INDIVIDUAL DE ADULTOS
PSICOTERAPIA DE CASAL
Menu